Loading

Divin'arte


Divin’arte d’amar


Coisa estranha, mas boa patranha, por não se saber definir com alegria tamanha energia.


Amor, som que não se pode mensurar, nem com medidores de moderna tecnologia pontual-atual.

Rosada cor aurífica a confundir a nossa pobre ignorância de cor sóbria e prolífera. 

Não se pede um quilo de amor, tampouco, um metro d'água benta. O amor é o criador da arte que por si só se inventa. 

Som etéreo o qual diz sem explicar o eterno marujar no mar de águas santas a se navegar com valor incolor a quebrar as rochas, moldando-as sem autorização banal num eterno e desorganizado bacanal estridente. 


A escrita ultrapassa o limite do tempo ao referir-se a esse dom celestino, nobre coração de menino a repousar no coração da  gente e a poetar seu veraz destino, porque nada tem a explicar na divina ciência de amar.


A letra também não explica!


O Amor é a arte imensurável de Deus o qual independe de tecnologia de ponta advinda de qualquer céu, porém, aponta ser a maior inteligência universal, na plenitude da paz, sem mero escarcéu… Só pra dar rima sonora: Você “entendéu” essa explicação ao léu?

 

Como é bom saber amar, com o conhecer de que não se sabe explicar.


O amor somente se pode sentir, se entregar sem resistir, é o nirvana que a todos engana, sem explicitar as propriedades de sua arrefecedora chama, porém, se você o verbete estranha, entenda como: Refrigeradora chama a qual lhe chama. Semelhantemente ao criar de sua mente a qual lhe mente desbragadamente ao dizer que: o gelo também queima irresistivelmente.


Afinal, quem sabe amar conscientemente?


jbcampos